18
Nov
2017

Por que o Bonete é tão incrível?

17
outubro, 2016
Dicas
2861
visualizações
Ampliar
14
Ampliar!
Imprimir!
Opções do post

Passado indígena, cultura caiçara, beleza natural surpreendente. Veja por que quando o assunto é Bonete, muita gente diz “é a minha praia”.

Por Alessandra Stefani

Sabe o que os portugueses viram quando chegaram ao Brasil, mais de 500 anos atrás? É só contemplar o mirante do Bonete para ter uma ideia. Mar azul, areia dourada e a imensidão verde da mata virgem. Esse paraíso no sul de Ilhabela é um desses poucos lugares que ainda é isolado, longe da tecnologia e bonito por natureza. Difícil de acreditar que um reduto quase deserto fique tão perto de São Paulo, a umas 4h da capital.

Praia do Bonete Ilhabela (Imagem: Wikimedia Commons/Thiago Sieiro Cunha)

Praia do Bonete Ilhabela (Imagem: Wikimedia Commons/Thiago Sieiro Cunha)

Mas a história desse cantinho com ar rústico começou bem antes dos nossos patrícios botarem os pés ali. A herança dos caiçaras é ainda mais antiga. E é nessa volta ao passado, tão encantadora quanto a praia em si, que a gente vai embarcar agora.

Um pouco de história…

Era uma vez uma comunidade indígena que tinha uma marca registrada: construía monumentos gigantes com conchas, os sambaquis (muitas dessas “montanhas” de cascas de moluscos serviam de cemitério para os antigos sambaquieiros). Mais de 8 séculos atrás, foram eles os primeiros povos do Bonete, que só se chamou Bonete mais tarde (calma que a gente já vai chegar lá).

Esqueleto em Sambaqui em Ilhabela (Imagem: Arquivo Pessoal/Alessandra Stefani)

Esqueleto em Sambaqui em Ilhabela (Imagem: Arquivo Pessoal/Alessandra Stefani)

Com um monte de peixe dando sopa no mar, bastante animal pra caçar, matéria-prima e água doce de sobra, não precisa nem dizer que muita gente queria morar lá, né? Foi aí que um outro grupo de índios, que eram horticultores e ceramistas, foi chegando e dominando o pedaço.

Mas como a corda sempre arrebenta do lado mais fraco, lá pelo século XVII foi a vez dos colonizadores chegarem pra ficar. E a sesmaria dessa praia foi doada sabe pra qual família? A Bonete – sacou agora de onde vem o nome da praia, né? (Pausa pra quem colou na escola: sesmarias eram os lotes que os rei de Portugal davam aos primeiros colonizadores para o cultivo de terras virgens.) Na Praia do Bonete havia plantação de cana, engenho de açúcar e muito trabalho escravo.

A fé dos caiçaras

Com tanto europeu zanzando por aquelas bandas, não é de se espantar quando a gente encontra caiçara do Bonete de olhos azuis e cabeleira loira. Mas a herança dos desbravadores dos mares vai além das feições. A religião católica trazida com eles ainda se mantém viva.

Igreja de Santa Verônica, Padroeira do Bonete (Imagem: Acervo Portal Ilhabela.com.br)

Igreja de Santa Verônica, Padroeira do Bonete (Imagem: Acervo Portal Ilhabela.com.br)

Uma das mais tradicionais celebrações religiosas de lá é a Festa de Santa Verônica, considerada a padroeira do Bonete. O dia dedicado a ela é 9 de julho, quando é realizada uma grande festa, com direito a fogos de artifício e missa com ladainha em latim.

Bonete hoje

Do passado, além da tradição religiosa, os caiçaras do Bonete também guardam a coragem dos povos antigos, dominando o mar bravo, a pesca, a lavoura e a produção de farinha de mandioca.

Vila de Pescadores na Praia do Bonete (Imagem: Wikimedia Commons/Thiago Sieiro Cunha)

Vila de Pescadores na Praia do Bonete (Imagem: Wikimedia Commons/Thiago Sieiro Cunha)

Do futuro, os caiçaras receberam energia solar, um luxo para quem tinha que salgar a carne pra não estragar por falta de refrigeração. A pequena hidrelétrica da praia não dá conta de fornecer energia o dia todo e bancar o gerador não é um custo que cabe no bolso de todo mundo.

É assim que a comunidade de uns 250 moradores vive hoje. E recebe os visitantes de braços abertos. Sim, lá tem camping, pousada e restaurante pra atender o turista. E a simplicidade é o atrativo. Um lugar estilo offline, pra se desconectar de tudo.

Tranquilidade na Praia do Bonete (Imagem: Flickr/Rachid EL QOMRI)

Tranquilidade na Praia do Bonete (Imagem: Flickr/Rachid EL QOMRI)

E a praia, então? Uma faixa de 600m de areia com o rio Nema desaguando no canto, cheio de canoas coloridas tradicionais de lá. À frente, um mar azul que é um sonho pra quem curte pegar onda. E não é daquela pra pegar jacaré, não. É onda grande, de uns 3m de altura, pra surfista fazer a festa.

Canoas da praia do Bonete (Imagem: Wikimedia Commons /Joao lara mesquita)

Canoas da praia do Bonete (Imagem: Wikimedia Commons /Joao lara mesquita)

É claro que pra chegar até lá tem (muito!) chão. Você não acha que se Bonete estivesse dando sopa aí seria um paraíso tão preservado, né? Mas pra muita gente o caminho recompensa quase tanto quanto o destino. São 15km de uma trilha que começa na Ponta do Sepituba (dá pra deixar o carro num estacionamento ali) e passa por cachoeiras transparentes (como a da Laje e do Areado), bem no meio da Mata Atlântica. A caminhada é puxada, leva de 3 a 6 horas (isso contando as paradas pra se refrescar). Também dá pra chegar lá por mar (aí são só uns 40 minutos e tem um monte de agência que oferece o passeio de barco).

Vista geral do Bonete - Ilhabela (Imagem: Wikimedia Commons/Toledouliana)

Vista geral do Bonete – Ilhabela (Imagem: Wikimedia Commons/Toledouliana)

O ideal é dormir no Bonete e jantar à luz de vela sob o brilho das estrelas. Pra voltar pra Sepituba, também dá pra contratar o serviço dos boneteiros, que fazem o percurso de canoa ou chata. A não ser que sobre energia, né. Aí, dá pra encarar a trilha de volta também.

Final do dia na Praia do Bonete (Imagem: Wikimedia Commons/Toledouliana)

Final do dia na Praia do Bonete (Imagem: Wikimedia Commons/Toledouliana)

Claro que ao longo dos séculos, Bonete mudou. Mas a “cara” de uma das 10 praias mais bonitas do Brasil no ranking do jornal britânico “The Guardian” ainda é de cair o queixo.

  • Renato

    disse:
    20 de outubro de 2016

    Infelizmente não se registrou o histórico do lugar em livros..mas a história está incompleta pois há detalhes não revelados, por exemplo..os únicos que se aventura van em comércio de engenho e cana de açúcar eram cristão Novos ou cripto judeus, pois era uma das únicas opções que restavam aos de ascendência judaica pois as demais opções eram mais vantajosas financeiramente, Além do mais, quanto mais ermo e afastado da civilização mais segura se tornava devido a reação da inquisição.

aqui da pra colocar mais informações