Um roteiro incrível pelo norte de Ilhabela

27
outubro, 2016
Dicas
799
visualizações
Ampliar
14
Ampliar!
Imprimir!
Opções do post

Cachoeira com ducha natural, praias ideais para velejar, um banquete pé na areia. Confira o que fazer de carro nesse pedaço norte de Ilhabela

Por Alessandra Stefani

É na saída da balsa que a dúvida começa: virar à esquerda e curtir o norte de Ilhabela ou dobrar à direita e conhecer as praias do sul da ilha? Uma única estrada faz a ligação dos dois extremos da cidade conhecida como a Capital da Vela. De ponta a ponta, o percurso leva mais de uma hora – a ilha não é só bela, mas também grande – passando por praias quase desertas, áreas badaladas, mirantes e acesso a cachoeiras.

Vela na Ponta das Canas (imagem: Fernando Tomanik)

Vela na Ponta das Canas (imagem: Fernando Tomanik)

Se no norte a Praia da Armação é o point pra quem pratica esporte de vela, o sul tem o seu paraíso para mergulhadores, o santuário da Ilha das Cabras, na Praia das Pedras Miúdas. Se no norte as praias ficam perto do agito do Centro Histórico, no sul a badalada Praia do Curral não fica atrás. Então, afinal, pra que lado virar o carro? Para ajudar você a decidir esse dilema, a gente montou dois roteiros: um para o norte e outro para o sul de Ilhabela. Neste post, vamos falar sobre…

O que fazer no norte de Ilhabela?

Comece o dia indo lá para cima, na pontinha da ilha, na Praia do Jabaquara, a última com acesso de carro. Depois da tradicional parada no mirante para foto, curta esta que é considerada uma das praias mais bonitas daqui. Preservada, cheia de árvore em volta e cortada por riachos, você vai se sentir num ambiente selvagem. Achou lindo? O duro é que os borrachudos também acham. Mas é só se lambuzar de repelente para dar um chega pra lá no bichinho (veja aqui um post que fizemos sobre como se livrar dele).

Praia do Jabaquara (imagem: Fernando Tomanik)

Praia do Jabaquara (imagem: Fernando Tomanik)

Como a água é calma e transparente, volta e meia tem gente pescando e fazendo caça submarina por lá. Se for dar uma esticada até a tarde na praia, o Restaurante Canto do Jabaquara tem almoço à beira-mar, com peixes, porções e saladas, num ambiente com decoração rústica.

Se preferir dar um segundo mergulho num outro lugar, retorne no sentido do sul e pare na Praia de Pacuíba. Para botar o pé na areia, é preciso pegar uns 5 minutos de trilha estreita a partir de uma estrada de terra. O visual compensa: uma praia deserta, cheia de peixe (ideal para o mergulho livre) e um monte de “guarda-sol” natural.

Talvez a fome bata a essa altura. A sugestão é fazer um pit stop na Praia da Armação e almoçar no Vila Salga. No cardápio, ingredientes naturais, a maioria deles, orgânicos. Muito peixe e frutos do mar fresquinhos. Dá pra fazer a digestão na praia mesmo, observando a galera que pratica windsurfe e kitesurfe (tem uma escola náutica ali) ou ir pra praia vizinha, a do Pinto, onde dá pra chegar a pé mesmo, por uma calçada que faz a ligação com a Armação. A areia é branca e fininha, e a sombra das copas das árvores, um convite pra relaxar.

Kitesurfe (Imagem: Flickr/Willtron)

Kitesurfe (Imagem: Flickr/Willtron)

Terminada a siesta, pé na areia, ou melhor, na mata. Que tal encarar uma trilha pra tomar banho de cachoeira e recarregar as energias? A partir da Praia do Viana, tem um caminho para a Cachoeira do Couro do Boi, cheia de degraus por onde escorre água cristalina, ideal para uma sessão de hidromassagem. Se tiver pique, dá para emendar mais uma trilha e seguir para a Cachoeira da Friagem, ali perto, com uma queda que forma uma ducha natural. O caminho para elas pode ser um pouco confuso e escorregadio, por isso é bom contratar um guia. Só fique esperto com o relógio porque a caminhada pode levar umas 3 horas.

Praia do Viana (Imagem: Wikimedia Commons/RODRIGO LEHSTEN)

Praia do Viana (Imagem: Wikimedia Commons/RODRIGO LEHSTEN)

No fim da tarde, a boa é seguir para o Centro Histórico, apelidado de Vila pelos locais. É onde estão os bares, cafés, restaurantes, lojas e é o ponto de desembarque dos cruzeiros que lotam a ilha no verão. Destino certo pra quem quer relaxar tomando um gelato de verdade é a Gelateria Tradizionale, com quase 40 sabores de sorvetes tão cremosos que vão fazer você se sentir na Itália.

Cruzeiro em Ilhabela (Imagem: Wikimedia Commons/Roberto Pavezi Netto)

Cruzeiro em Ilhabela (Imagem: Wikimedia Commons/Roberto Pavezi Netto)

Antes de fechar o dia em grande estilo, volte para o hotel para tomar aquele banho. O norte da ilha tem vários tipos de hospedagens. Pertinho da Vila está o Hotel Ilhabela, bem de frente para a Praia do Saco da Capela. Sabe o que isso significa, né? Acordar olhando para o mar com um monte de veleiros ancorados.

Pôr do sol na Praia do Saco da Capela (Imagem: Cristina Morgato)

Pôr do sol na Praia do Saco da Capela (Imagem: Cristina Morgato)

Quem prefere uma pousada, a sugestão é ficar na Caravela Pousada & Villas, que fica na Fazenda Siriúba. Cheia de história – até os reis da Suécia já se hospedaram lá – e com ambiente rústico, é um lugar bem charmoso.

Também tem opção de chalé na Pousada e Chalé Pedra Menina, na Praia do Pinto. Um lugar para se sentir em casa. Além do quarto e banheiro, as acomodações têm cozinha completa, sala e varanda.

Vila a noite (Imagem: Flickr/Pedro de Carvalho Ponchio)

Vila a noite (Imagem: Flickr/Pedro de Carvalho Ponchio)

Banho tomado, a sugestão é voltar para a Vila e jantar no Manjericão. Com sabor caseiro, o restaurante traz no cardápio pratos contemporâneos, num espaço rodeado por muito verde. Para os baladeiros de plantão, o Estaleiro Bar tem música ao vivo com bandas que tocam desde rock’n’roll, até samba e jazz. De quarta-feira, tem forró!

O norte da ilha é assim: um paraíso natural, com atrações para todos os gostos e piques.

Nenhum comentário até o momento.

Seja o primeiro a comentar.

aqui da pra colocar mais informações